Caderno Nona Ilha #9: Da Madeira a Cape Town

Nos séculos XIX e XX, a cidade do Cabo (Cape Town) marcou, de forma evidente, a mobilidade dos madeirenses, abrindo mais uma oportunidade de sair e de ganhar a vida, graças às estratégias coloniais dos impérios europeus. Na memória e história madeirenses, o dia da chegada dos chamados “Vapores do Cabo” era conhecido como o dia de “São Vapor”, desencadeando o interesse sobre a África do Sul.
Entender a forma como se operou esta mobilidade madeirense e inglesa na rota do Cabo é o que motiva a nossa atenção. Por força desta rota, que perdura no tempo, estabeleceu-se uma via aberta para o comércio e mobilidade de madeirenses que se servem, muitas vezes, de rotas indiretas para entrar na África do Sul, a partir da antiga colónia portuguesa de Moçambique ou, mesmo, recorrendo à mobilidade clandestina, muito por causa das limitações impostas à escolaridade. A emigração clandestina é aqui um dado significativo da mobilidade de muitos dos madeirenses para chegar à África do Sul.


[custom-facebook-feed layout=half]

Acerca do Autor

GMProfessor do Ensino Básico, é licenciado em Ciências da Educação com uma pós graduação em Estudos Políticos e Sociais. Foi jornalista em vários órgãos de comunicação social regionais e nacionais. É autodidata em artes gráficas e desenho de páginas web.Ver todos os posts por GM →

Deixar resposta

SRTC | DRC | CEHA–Alberto Vieira | Madeira