Sobre o amor e a distância

Sobre o amor e a distância

...

Ler Mais

Eu tenho uma carta escrita
Caderno Memória 06: Da ilha e da natureza em fúria

Caderno Memória 06: Da ilha e da natureza em fúria

...

Ler Mais

Caderno Memória 05: O MACHADO E A FÉNIX
Newsletter 56: Soldados da Paz

Newsletter 56: Soldados da Paz

...

Ler Mais

São Marçal – Hagiografia e iconografia

São Marçal – Hagiografia e iconografia

...

Ler Mais

Uma história de vida

Uma história de vida

...

Ler Mais

QUEM ÉS TU? …

QUEM ÉS TU? …

...

Ler Mais

Quando os objectos são memória…

Quando os objectos são memória…

...

Ler Mais

Descobrir!

Memória das Gentes que fazem a História.

roma-fruto450x338Como [se fosse] uma romã

A romã é a Memória das gentes, das Mobilidades e da Autonomia. Una, coroada, é composta por uma multiplicidade de sementes que se guardam em bolsas individuais (histórias de vida), ligadas entre si, por uma membrana branca (documentos e registos) que as organiza.

Cada pessoa, com a sua história, com os retratos, os objetos e os documentos que foi guardando, ao longo da vida, contribui para esta Memória coletiva. A casca da romã transforma-se, então, num guarda-memória das memórias das gentes. Só então, a História fica completa, porque com gente dentro e com alma dentro da gente.

Ver


Memória: Um projeto com três dimensões

MEMÓRIA (das gentes que fazem a História) dá protagonismo ao indivíduo, enquanto agente do processo histórico. Preservar e transmitir valores e experiências, salvaguardando a memória individual e coletiva constitui a missão de fixar este registo nas páginas da História da Madeira.

Ver

9ilha-logo-250x250

NONA ILHA é o registo da diáspora dos madeirenses e dos porto-santenses. Estamos a reunir, registar e guardar histórias de vida, cartas, postais, fotografias, documentos. Da união entre os que partiram e os que ficaram é possível criar uma sociedade diferente, onde todos têm lugar.

Ver

autonomia_logo

Memória da AUTONOMIA regista e salvaguarda os testemunhos e as vivências dos madeirenses, de ontem e de hoje. Perpetuar essas vozes e anseios é um dever de todos. A História da Autonomia faz-se a cores, com pessoas, sentimentos, desejos e também desilusões.

Ver

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar