Outra memória

Outra memória

...

Ler Mais

Sobre a palavra “Bombeiro”

Sobre a palavra “Bombeiro”

...

Ler Mais

Soldados da paz

Soldados da paz

...

Ler Mais

Newsletter 55. Na’me esquece

Newsletter 55. Na’me esquece

...

Ler Mais

Jana

Jana

...

Ler Mais

Cartas: António e Margarida

Cartas: António e Margarida

...

Ler Mais

16 de maio – Dia Internacional das Histórias de Vida

16 de maio – Dia Internacional das Histórias de Vida

...

Ler Mais

Do Ilhéu

Do Ilhéu

...

Ler Mais

Antoninho

...

Ler Mais

De Manuel…

De Manuel…

...

Ler Mais

Descobrir!

Memória das Gentes que fazem a História.

roma-fruto450x338Como [se fosse] uma romã

A romã é a Memória das gentes, das Mobilidades e da Autonomia. Una, coroada, é composta por uma multiplicidade de sementes que se guardam em bolsas individuais (histórias de vida), ligadas entre si, por uma membrana branca (documentos e registos) que as organiza.

Cada pessoa, com a sua história, com os retratos, os objetos e os documentos que foi guardando, ao longo da vida, contribui para esta Memória coletiva. A casca da romã transforma-se, então, num guarda-memória das memórias das gentes. Só então, a História fica completa, porque com gente dentro e com alma dentro da gente.

Ver


Memória: Um projeto com três dimensões

MEMÓRIA (das gentes que fazem a História) dá protagonismo ao indivíduo, enquanto agente do processo histórico. Preservar e transmitir valores e experiências, salvaguardando a memória individual e coletiva constitui a missão de fixar este registo nas páginas da História da Madeira.

Ver

9ilha-logo-250x250

NONA ILHA é o registo da diáspora dos madeirenses e dos porto-santenses. Estamos a reunir, registar e guardar histórias de vida, cartas, postais, fotografias, documentos. Da união entre os que partiram e os que ficaram é possível criar uma sociedade diferente, onde todos têm lugar.

Ver

autonomia_logo

Memória da AUTONOMIA regista e salvaguarda os testemunhos e as vivências dos madeirenses, de ontem e de hoje. Perpetuar essas vozes e anseios é um dever de todos. A História da Autonomia faz-se a cores, com pessoas, sentimentos, desejos e também desilusões.

Ver

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar