Encontrei isto. Era o tempo a sair do álbum e a contar do meu avô que conhecia o mundo e colecionava a ilha que morava nos maços de tabaco de há muitos anos atrás. Encontrei lá dentro as memórias de um tempo que já não existe porque o tempo vai e não volta. Como a vida. Como a vida. Como as pessoas. Encontrei o mundo ilhéu dos anos 50, legendado pelo amarelo da caixa, misturado com restos do dote de uma das mulheres da casa, embrulhado em papel de seda com cheiro a naftalina. Partilho-o. O Projeto Memórias precisa da sua generosidade. A sua história será a próxima protagonista. Dentro do baú há uma caixa; dentro da caixa há o passado; dentro do passado há muita força de futuro.

Comentários

comentários

Acerca do Autor

GM

Professor do Ensino Básico, é licenciado em Ciências da Educação com uma pós graduação em Estudos Políticos e Sociais. Foi jornalista em vários órgãos de comunicação social regionais e nacionais. É autodidata em artes gráficas e desenho de páginas web.

Ver todos os posts por GM →

Deixar uma resposta

SRTC | DRC | CEHA | Madeira