“A viagem como horizonte, a ilha como destino”

Sobre Meninos Jesus https://t.co/9cHI2lzTX9 https://t.co/oVrYYxKawA

“A viagem como horizonte, a ilha como destino”

Memoria Im Flutuantes 01

memoria_im-flutuantes_05
O Memória das Gentes que fazem a História esteve em Turim, participando da jornada de estudos “Il viaggio come orizzonte, l’isola come destino”, numa parceria entre o Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras e Culturas Modernas e o CEHA.
Levámos as histórias dos refugiados Gibraltinos contados na primeira pessoa, levámos um outro lado da história, feita de gente e de afectos. Levámos a “nossa querida Madeira”.
E a Madeira, foi, de facto, a protagonista desta jornada. De entre os painéis, o lançamento da tradução do livro de Ana Teresa Pereira por Gaia Bertoneri, merece destaque.
Fica aqui o registo desses momentos. Fica igualmente o nosso agradecimento ao António Fournier, à Gaia Bertoneri, à Orietta Abbati e ao Giancarlo Deprestis.

memoria_im-flutuantes_02memoria_im-flutuantes_03

Guardar

Comentários

comentários

Acerca do Autor

Cláudia FariaMestre em Cultura e Literatura Anglo-Americanas. Membro do CETAPS ( Lisboa) e IABA Europe. As áreas de interesse são as relações anglo-madeirenses, a literatura de viagens, a escrita do eu, diários, (auto)biografias. Professora do ensino básico e secundário destacada no Centro de Estudos de História do Atlântico.Ver todos os posts por Cláudia Faria →

Deixar uma resposta

SRTC | DRC | CEHA | Madeira