Memórias são como cerejas

Teresa Valério partilhou connosco uma parte de si. A sua escrita. Palavras aconchegadas pelas memórias do Norte da Ilha, o seu berço. Foi lá dentro ( de si e da ilha) que foi buscar o mote para alguns dos seus contos – a vida dura do trabalho do campo, o quotidiano, as doenças, os partos, a distância da cidade, o bordado e até mesmo a construção da estrada que ligou as freguesias desta parte da ilha com o Funchal. E, apesar de contar histórias, sim, são histórias, mas são, sobretudo parte da História ( a dela e a da ilha). Bem haja pela partilha.

Comentários

comentários

Acerca do Autor

GM

Professor do Ensino Básico, é licenciado em Ciências da Educação com uma pós graduação em Estudos Políticos e Sociais. Foi jornalista em vários órgãos de comunicação social regionais e nacionais. É autodidata em artes gráficas e desenho de páginas web.

Ver todos os posts por GM →

Deixar uma resposta

SRTC | DRC | CEHA | Madeira