SOBRE A GUERRA E O AMOR

António procurou-nos. Guardava uma história de amor dentro de duas capas de cartão. Ele, no Ultramar, em Angola, tentava sobreviver à angústia da distância e ao medo de morrer. Ela, na Ponta de Sol, em pleno Atlântico, assume o papel de Madrinha de guerra, a que cuida, a que apoia, a que reza.

Aos poucos – porque a guerra tem muitos lados – , o afilhado pede-lhe o coração. E ela, um pouco a medo, talvez, vai lho entregando. Em palavras. Cuidadosamente desenhadas.

Lemos esta história que as cartas guardaram. Trabalhámo-la. Guardámo-la nas Memórias, como os protagonistas as guardaram: com cuidado.

Ele voltou da guerra. Ela estava à espera dele. Estão casados há muitos anos.  

Comentários

comentários

Acerca do Autor

GM

Professor do Ensino Básico, é licenciado em Ciências da Educação com uma pós graduação em Estudos Políticos e Sociais. Foi jornalista em vários órgãos de comunicação social regionais e nacionais. É autodidata em artes gráficas e desenho de páginas web.

Ver todos os posts por GM →

Deixar uma resposta

SRTC | DRC | CEHA | Madeira