Uma memória da Festa

DSC 1952

Triste, esta memória. Traz, ainda, lágrimas aos olhos. Estamos no Curral, em casa do Sr. João, homem de trabalho e de mundo, emigrante regressado de Venezuela, com uma história de sacrifícios e lutas, de clandestinidades e de sofrimentos:

João Quintal (foto de Cláudia Faria)

– Com 7 anos, já andava por essas serras, a carregar lenhinha. Havia pobreza, menina, pobreza. Era véspera de Festa e minha mãe chorava, porque não tinha nada para pôr na mesa. E eu disse: «Vamos pedir ao Senhor Padre Vigário». E a gente foi. O senhor vigário ajudou…

Comentários

comentários

Acerca do Autor

Graça AlvesLicenciada em Línguas e Literaturas Modernas, é professora do ensino Secundário e tem participado em diversos projetos literários. Está destacada no Centro de Estudos de História do Atlântico, onde tem desenvolvido trabalhos ligados à literatura e às histórias de vida.Ver todos os posts por Graça Alves →

Deixar uma resposta

SRTC | DRC | CEHA | Madeira