Arquivos

Arquivo do autor: ‘GM’

Caderno Nona Ilha #9: Da Madeira a Cape Town

C 9ilha 09 AfSul Capa

Nos séculos XIX e XX, a cidade do Cabo (Cape Town) marcou, de forma evidente, a mobilidade dos madeirenses, abrindo mais uma oportunidade de sair e de ganhar a vida, graças às estratégias coloniais dos impérios europeus. Na memória e história madeirenses, o dia da chegada dos chamados “Vapores do Cabo” era conhecido como o dia de “São Vapor”, desencadeando …

Ler Mais

Caderno Nona Ilha #8: De romarias e arraiais no mundo insular

C 9ilha 08 Romariascapa

Partindo da ideia de que existe uma prática cultual ligada à Religião, que estabelece um movimento interno e externo no espaço insular conducente a uma gestão devocional relacionada com a “salvação da alma”, em que se determinam condutas mobilizadoras geradoras de peregrinações e de uma forma especial de devoção, parece-nos importante destacar esta realidade enquanto marca da memória e identidade …

Ler Mais

Será o arquipélago da Madeira no século XV a primeira etapa da globalização?

C 9ilha 07 MadeiraGlobal

H á um debate no meio académico, especialmente latino-americano, sobre o que realmente aconteceu no mundo a partir do século XV com o processo de descobrimentos e expansão europeia. Afinal, entramos no caminho da globalização ou da ocidentalização /europeização do mundo? Será este discurso da globalização, que pretende definir o que aconteceu no mundo, a partir do século XV como …

Ler Mais

Brasil – do encanto ao encantamento [No caminho da literatura]

C 9ilha 06 Brasil

Na Madeira, como em qualquer outro lugar, o universo literário reveste-se de personagens e intrigas que, em muitos casos, representam as vivências de um tempo específico, pautado, em muitos momentos, pela miséria, por grandes diferenças sociais. Este texto pretende, pois, abrir caminho para o conhecimento desse universo: o sonho (e, por vezes, o desencanto) do Brasil, como lugar de sonho …

Ler Mais

Ao fio do tempo

DSC 1974

João Figueira Quintal Tarde de sol. Curral das Freiras.   João Quintal, do alto dos seus 83 anos, fala de si, da pobreza da sua meninice: – na véspera de Natal, minha mãe chorava. Não tinha nada p’ra pôr na mesa. Fomos pedir emprestado ao Senhor Padre Vigário… Fome, menina, fome… Da história: Não foi à escola. Carregava lenha pelas serras …

Ler Mais

SRTC |DRC |CEHA | Madeira