Uma história de vida

Uma história de vida

Chama-se Manuel Nunes Ferreira, tem 72 anos, vive em Machico. É, ainda hoje, o Adjunto Ferreira, o ...

Ler Mais

QUEM ÉS TU? …

QUEM ÉS TU? …

“A abnegação é o mais nobre dos sentimentos.” João DE DEUS .   Quem és tu que tanto ...

Ler Mais

Quando os objectos são memória…

Quando os objectos são memória…

Não. Já não se usa. Mas estes objetos faziam parte do dia-a-dia dos quartéis de bombeiros. Ao ...

Ler Mais

Outra memória

Outra memória

A 25 de agosto de 1947, a cidade do Funchal festejou com “modéstia mas significância” o dia ...

Ler Mais

Sobre a palavra “Bombeiro”

Sobre a palavra “Bombeiro”

A origem do vocábulo “bombeiro” tem, indubitavelmente, origem na língua francesa, no seu ...

Ler Mais

Soldados da paz

Soldados da paz

É quando chega o verão que nos lembramos mais dos soldados da Paz. Associamo-los, sobretudo, aos ...

Ler Mais

Descobrir!

Memória das Gentes que fazem a História.

roma-fruto450x338Como [se fosse] uma romã

A romã é a Memória das gentes, das Mobilidades e da Autonomia. Una, coroada, é composta por uma multiplicidade de sementes que se guardam em bolsas individuais (histórias de vida), ligadas entre si, por uma membrana branca (documentos e registos) que as organiza.
Cada pessoa, com a sua história, com os retratos, os objetos e os documentos que foi guardando, ao longo da vida, contribui para esta Memória coletiva. A casca da romã transforma-se, então, num guarda-memória das memórias das gentes. Só então, a História fica completa, porque com gente dentro e com alma dentro da gente.
Ver


Memória: Um projeto com três dimensões

MEMÓRIA (das gentes que fazem a História) dá protagonismo ao indivíduo, enquanto agente do processo histórico. Preservar e transmitir valores e experiências, salvaguardando a memória individual e coletiva constitui a missão de fixar este registo nas páginas da História da Madeira.

Ver

9ilha-logo-250x250

NONA ILHA é o registo da diáspora dos madeirenses e dos porto-santenses. Estamos a reunir, registar e guardar histórias de vida, cartas, postais, fotografias, documentos. Da união entre os que partiram e os que ficaram é possível criar uma sociedade diferente, onde todos têm lugar.

Ver

autonomia_logo

Memória da AUTONOMIA regista e salvaguarda os testemunhos e as vivências dos madeirenses, de ontem e de hoje. Perpetuar essas vozes e anseios é um dever de todos. A História da Autonomia faz-se a cores, com pessoas, sentimentos, desejos e também desilusões.

Ver

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Os usos do bilhete-postal

Bilhetepostal Madeira 4

O bilhete-postal surgiu como meio de comunicação para pequenas mensagens. Difundido por todo o planeta, raras são as pessoas que …

Ler Mais

Fragmentos do Ultramar

Diogo Moçambique Destaque

Durante a Guerra do Ultramar, há envelopes que transportam a vida da Ilha (ou da Metrópole) para as Áfricas ou …

Ler Mais

Bandeiras Cruzadas: memória e identidade

Madeira Venezuela

“Origens islenhas (…) somos parte da condição insular. Somos gente nascida na infância eterna da nossa ilha. (…) o azul …

Ler Mais

Fragmentos…

Ceha Casa 1985 11 18 01

Às vezes, basta um postal ou uma fotografia para fazer prova. De vida. De saúde. De sucesso. Às vezes, basta …

Ler Mais

Newsletter 52: Fevereiros

Memoria News 52

Na Madeira, o mês de fevereiro traz memórias de alegrias e de desgraças. É o mês do Carnaval, dos desfiles …

Ler Mais

21 anos de Carnavais

Memoria Carnaval Agrela 004

Em janeiro de 1997, inscrevi-me na Associação de Animação Geringonça, Associação onde ainda me mantenho até hoje e participei sempre …

Ler Mais

20 de Fevereiro 2010 – História de uma fotografia

20 Fevereiro 2010 Octavio Passos

Às 9 horas e 30 minutos, ao passar a conduzir no Campo da Barca no Funchal, debaixo de uma chuva …

Ler Mais

Aviador madeirense José Costa chegou ao Rio de Janeiro há 80 anos

José Costa em frente do seu American Eagle A1 NC834W no início dos anos 30.

No próximo dia 16 de Fevereiro comemora-se o 80º aniversário da conclusão da viagem transatlântica de José Costa, com a …

Ler Mais

El carnaval portuense durante el siglo XIX en la obra de José Agustín Álvarez Rixo

Coso De Carnaval De 1913 PuertodelaCruz

José Agustín Álvarez Rixo (1796-1883) es el autor de una amplia producción bibliográfica que nos sitúa a lo largo de …

Ler Mais

Nunca se conhece realmente…até que se experimenta e se vive!

Memoria Carnaval 03

Tudo na vida devia ser assim…. não olharmos o que nos rodeia apenas de uma só perspetiva, nem vivermos apenas …

Ler Mais